Símbolo do Instituto de Física

Símbolo do Instituto de Física 

Bourroughs Datatron B-205, o “Cérebro Eletrônico”

Bourroughs Datatron B-205, o “Cérebro Eletrônico”

Fotos do acervo de pesquisa – Centro Técnico Científico

Fotos do acervo de pesquisa – Centro Técnico Científico

O cartaz da década de 60 divulga programa de pós-graduação da Escola Graduada de Ciências e Engenharia do Centro Técnico Científico

A história do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio) começa em 1947, com a criação da Escola Politécnica da PUC (EPPUC), quando a Universidade percebeu a necessidade de formar pessoal qualificado para atender às crescentes necessidades da engenharia nacional.

Mesmo tendo como finalidade a formação de engenheiros, logo atividades de pesquisa começaram a ser desenvolvidas, primeiramente na área da Física. Assim, a Escola Politécnica começava, de forma pioneira, a integrar as atividades de ensino e pesquisa.

Era o começo de uma nova PUC, que se mudou para o famoso campus da Gávea em 1955 e logo, na década de 60, o surgimento dos primeiros programas de pós-graduação do país, incluindo as Engenharias Elétrica, Mecânica e Civil, inseriu a Escola Politécnica entre a elite acadêmica do Brasil.

A excelência e o pioneirismo das atividades realizadas no âmbito do CTC podem ser comprovados, ainda, com vários exemplos da história da Educação no país: em 1960, a PUC-Rio instalou em suas dependências um Computador Burroughs 205, o primeiro da América Latina em universidades e o primeiro do Brasil. Era um computador a válvulas, processando as informações a partir de fitas perfuradas. Nesta linha, o CTC também foi pioneiro ao ser primeiro centro a introduzir a Informática em seus cursos e o primeiro a contar com núcleo próprio de computação científica

Em 1961, o Laboratório de Pesquisas Radioquímicas inaugurava o Instituto de Física que, mais tarde, receberia o nome de Instituto Costa Ribeiro, em homenagem a um notável físico brasileiro. Em 1963, foi construído o bloco do Instituto de Química e o bloco do Acelerador de Partículas Van de Graaff. No mesmo ano, era inaugurado o primeiro curso de pós-graduação stricto sensu do Brasil: Mestrado em Engenharia Elétrica. O primeiro Mestre em Ciências do país, no entanto, foi da área de Engenharia Mecânica: o aluno Guilherme M. de La Penha recebeu seu título em 1965.

Segundo o anuário de 1965/66, “a organização da Escola Graduada de Ciências e Engenharia do Centro Técnico Científico objetivou a criação de um centro de estudos avançados, tendo em vista o aprimoramento da formação técnica e acadêmica de engenheiros e de cientistas, a preparação e o aperfeiçoamento de professores de nível, e o incentivo à pesquisa”.

Em 1966, um grupo de trabalho formado pela PUC-Rio e outras Faculdades, comprometidas com a excelência na formação de seus alunos, deu início ao processo chamado de Reforma, que gerou um novo estatuto, acompanhado de um regimento geral. Com liderança da PUC-Rio, em 1967, a comissão nomeada pelo então Reitor, padre Laércio Dias de Moura, começou a colocar em prática as mudanças que haviam sido definidas. De caráter pioneiro e inovador, foi criado o regime de créditos, em prática até hoje e copiado por outras universidades Brasil afora.

Paralelamente, uma estrutura mais flexível e independente da estrutura federal, permitiu a criação dos atuais respectivos departamentos, para, em seguida, a criação dos Centros, incluindo o Centro Técnico Científico da PUC-Rio, que já trazia 20 anos de bagagem na formação de novos profissionais.

Nas décadas de 70 e 80, os programas de pós-graduação foram estendidos com a oferta de cursos de Doutorado entre os departamentos do CTC, consolidando a PUC-Rio como uma das mais promissoras universidades do país, com seu ensino de qualidade sendo reconhecido dentro e fora do Brasil.

Hoje o CTC/PUC-Rio agrega dez cursos de Engenharia (de Petróleo, de Controle & Automação, de Produção, de Computação, de Engenharia Química, de Materiais e Nanotecnologia, Elétrica, Civil, Mecânica e Ambiental), dois de Informática (Sistemas de Informação e Ciências da Computação) e também os bacharelados em Matemática, Física e Química.

Além dos cursos de graduação, todas as áreas de exatas da PUC-Rio oferecem pós-graduação stricto sensu (Mestrado e Doutorado), além do exclusivo Mestrado em Metrologia, dos Mestrados Profissionalizantes em Logística e em Engenharia Urbana e Ambiental.

Nas áreas de engenharia, informática, matemática e química, o CTC, através da Coordenação Central de Extensão (CCE), oferece ainda 13 pós-graduações lato sensu e cerca de 170 cursos de extensão.

Às vésperas de completar 70 anos, o CTC/PUC-Rio tem hoje cerca de 5,5 mil alunos (sendo 16% de estrangeiros), infraestrutura e tecnologia de ponta em mais de 115 laboratórios e um ensino reconhecido pelo MEC — tanto na graduação quanto na pós-graduação — como um dos cinco melhores do país.