22 de fevereiro de 1998: o prédio Palace II, na Barra da Tijuca, tem o seu primeiro desabamento, destruindo 44 apartamentos. No dia 27, um segundo desabamento atingiu outros 22 apartamentos e o prédio acabou sendo implodido no dia seguinte, com um saldo de oito mortos e mais de 170 famílias desabrigadas. Este é o cenário do documentário “Palace II – três quartos com vista para o mar” que entrou em cartaz no dia 18 de julho em todo Brasil. Entre os participantes, destaque para Giuseppe Guimarães e Raul Rosas e Silva, respectivamente ex-professor e professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio).

Ambos foram, na época, os engenheiros responsáveis pelo laudo solicitado pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT) e que apontou erros de projeto e execução da obra que levaram ao desabamento do prédio. Este indicava múltiplas causas para a tragédia, mas, ao final, o processo criminal condenou apenas o engenheiro calculista a pagar cestas básicas e inocentou o engenheiro Sérgio Naya, dono da Construtora Sersan, responsável pelo prédio. Os argumentos dos professores, no entanto, têm sido reforçados pelas vítimas no processo cível, em andamento até hoje, na busca por indenizações decorrentes das perdas familiares e patrimoniais.

Para ver o trailer, clique em https://vimeo.com/167934665. No Rio de Janeiro, o documentário pode ser assistido nesses cinemas.