Mais de 400 mestres e 190 doutores. Esse é o saldo do cinquentenário do Programa de Pós-graduação em Química (PPG-Qui) do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio), comemorado no último dia 18 de junho, propositalmente escolhido por ser o Dia do Químico. A data marca a regulamentação da profissão pelo presidente Juscelino Kubitschek, em 1956. Em 1959, a PUC-Rio criava o Departamento de Química, em 1969 inaugurava seu curso de mestrado e, em 1971, o doutorado na área.

Atualmente, o PPG-Qui tem 24 alunos de Mestrado e 29 de Doutorado, divididos entre suas quatro linhas de pesquisa. Com 16 professores em seu corpo docente (sendo metade formada por Bolsistas de Produtividade CNPq), o programa tem sido reconhecido como um dos mais importantes do país: nota 5 (em 7) desde 2001. Por exigência do Comitê de Química da Capes — que só permite nota 6 a programas com pelo menos 24 professores (atualmente UFRJ e UFF detêm esta nota) — o PPG-Qui divide o 3º lugar do RJ com a UFRRJ e é superior aos da UERJ, IME e UFRJ (Química de Produtos Naturais).

“O Departamento de Química do CTC/PUC-Rio foi um dos pioneiros no Brasil em pós-graduação em Química Analítica e esses 50 anos confirmam aos alunos que eles estão inseridos em um departamento que tem história. Ciência exige muito estudo, perseverança e criatividade para desenvolver projetos que irão definir as carreiras dos pós-graduandos ”, reforça o Prof. Ricardo Aucélio, diretor do DQ.

Petrobras, Finep, Fapesp, Faperj, Instituto Serrapilheira, Shell do Brasil e Fundo Brasileiro para a Biodiversidade são algumas das parcerias que o DQ sustenta ao contribuir com suas pesquisas, desenvolvidas em seus 20 laboratórios de ponta. Cientistas internacionais de instituições do porte de Massachusetts Institute of Technology – MIT, Universidade de Aveiro (Portugal) e University of Puerto Rico; assim como das nacionais USP, Unicamp, UFRGS, UFRJ, FIOCRUZ, UFCE, FURG, UERJ e UFMG, compõem sua rede de colaboradores. 

Inicialmente, a linha de pesquisa era basicamente sobre Química Analítica Inorgânica. Com as novas tendências do mercado e a inclusão de professores das outras três grandes áreas da Química, novas linhas de pesquisa foram introduzidas e, atualmente, elas têm como foco:

1) Energia, meio ambiente e ciências do mar: Energia renovável; materiais luminescentes, magnéticos e multifuncionais; processos, mecanismos de reação e modelagem; caracterização e controle da qualidade de biocombustíveis; catálise heterogênea e homogênea; estabilidade de derivados de petróleo; monitoramento da qualidade da água e do ar; geoquímica e química marinha.

2) Nanociências, interfaces e coloides: Síntese e funcionalização de nanopartículas, quantum-dots e materiais nanoestruturados, inclusive por métodos de microfluídica; química de coloides e supramolecular; fenômenos de autoassociação de polímeros, surfactantes e nanopartículas; filmes de Langmuir e Langmuir-Blodgett; sistemas com propriedades óticas (plasmônicas e luminescentes) e magnéticas; caracterização de bio- e nanomateriais e coloides; aplicações para catálise, sistemas de liberação controlada de fármacos, cosméticos, sensores e diagnósticos.

3) Fármacos e interações químico-biológicas: Síntese e caracterização de novos compostos bioativos orgânicos e inorgânicos; desenvolvimentos de novas rotas sintéticas para fármacos; estudo da interação entre compostos bioativos e receptores; planejamento racional de novos fármacos.

4) Métodos analíticos e qualidade metrológica: Estudo de métodos para preparação de amostra; desenvolvimento de métodos analíticos espectrométricos, eletroanalíticos e de separação; aplicação de métodos analíticos em problemas complexos e de relevância; desenvolvimento de instrumentação e de sensores; estudo de viabilidade de uso novos materiais em análises químicas; impacto dos processos analíticos na incerteza de medição.

Evento reuniu alunos, professores e ex-funcionários do Departamento de Química (DQ)

O evento de comemoração integrou alunos, professores e também ex-funcionários do Departamento de Química (DQ). Pela manhã, no auditório do IAG/AMEX, a solenidade de abertura contou com a presença de coordenadores do DQ e representantes da Reitoria PUC-Rio. Os palestrantes/professores Renato de Andrade Lessa (cientista social) e os ex-alunos de Química Alfredo Mayall Simas e Sergio Luís Costa Ferreira discorreram sobre Química e holocausto, fotoluminescência, trajetória e área de atuação do profissional da Química.

No período da tarde, os alunos puderam entender um pouco mais de cada linha de pesquisa da Pós-graduação em Química, com uma exposição no Laboratório de Ensino de Química Geral (L170). A proposta foi apresentar os estudos por meio de exposições interativas, nas quais os próprios alunos participavam das demonstrações. Paralelamente, no mesmo horário, no auditório do IAG, foi promovido um bate papo entre ex-funcionários do DQ, que puderam partilhar suas experiências, dificuldades e alegrias que passaram no período em que trabalharam no departamento.

No encerramento, houve o lançamento de livros de ex-alunos do DQ:

  • Show de Química – aprendendo química de forma lúdica e experimental, do ex-aluno Honerio Coutinho de Jesus.
  • Evolução da Política do Controle da Poluição Veicular nos Últimos 30 Anos, da ex-aluna Luciana Ventura.

Concursos definiram nova logo do DQ e premiaram experimentos de alunos

Os 50 anos do PPG-Qui foram a motivação para promover três concursos: melhor foto de experimento (R$ 500 de prêmio), melhor vídeo de experimento (R$ 500 de prêmio) e nova logo do DQ (R$ 1.000 de prêmio). Os trabalhos concorrentes de vídeo e foto foram postados e escolhidos via Instagram do departamento (@posquipuc_rio).

Com 247 likes, os alunos de Mestrado em Química Gabriela Fonseca, Lukas Macedo, Paola Duarte e Matheus Ouverney fizeram o melhor vídeo “Imagens obtidas pelo detector da técnica de SAXS” . As imagens assemelham-se a uma curva de nível e representam a intensidade de raios X espalhada por uma partícula em função do seu ângulo de espalhamento. No evento, os alunos explicaram que obtiveram estas imagens como resultados de análises de suas amostras feitas no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, onde eles também tiveram a oportunidade de conhecer de perto o acelerador de partículas brasileiro.

A melhor foto “Solução de cloreto de cobalto (II)”, que ganhou 708 curtidas, foi feita pelas alunas de Engenharia Química Raíssa Victor Quintela e Thaysla Evellin de Queiroz Costa. Ela foto foi tirada na aula de Laboratório de Química Inorgânica e elas conseguiram este efeito usando uma lanterna no fundo do erlenmeyer.

A nova logo foi criada pela aluna Marcela Dick Crosman, de Artes de Design e disputou com 24 concorrentes. Ela será divulgada tão logo os acertos jurídicos sejam feitos entre o DQ e a estudante campeã.