Novo Laboratório de Materiais Compósitos do CTC/PUC-Rio desenvolve estudo de P&D sobre durabilidade de reparos compósitos em tubulações



O novo laboratório possui 176m² e contém três grandes câmaras de envelhecimento por névoa salina que podem chegar a 70°C


O novo Laboratório de Materiais Compósitos do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio), inaugurado este ano, está desenvolvendo um trabalho de projeto e desenvolvimento (P&D) para a Petrobras. O estudo pretende avaliar o tempo de vida de reparos feitos com materiais compósitos através do envelhecimento acelerado de componentes por um período de até 2 anos. Com os resultados da pesquisa, será possível aumentar a confiabilidade do uso de reparo em materiais compósitos, evitando paradas de produção desnecessárias e minimizando riscos de danos ao meio ambiente por vazamentos.

O novo laboratório, cuja construção foi patrocinada pela Petrobrás, conta com uma das mais completas infraestruturas do país para envelhecimento de materiais compósitos, distribuídos em uma área de 176m². As três novas câmaras walk-in de névoa salina, apelidadas de "casinhas", possuem dimensões de 2,0x2,0x2,6 m e podem chegar a temperaturas de até 70°C, com diferentes modos de envelhecimento. O estudo é coordenado pelo Prof. Daniel Cardoso, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, e conta com o apoio de sete alunos no projeto: dois de doutorado, três de mestrado e três de graduação.

Wednesday, February 17, 2021
Carregando